As lives do mercado financeiro em tempos de pandemia

as lives do mercado financeiro em tempos de pandemia

Desde março o universo das finanças teve de mudar seu foco em função da pandemia do novo coronavírus. Com isso, surgiram as lives do mercado financeiro. Todas as empresas do setor foram “obrigadas” a se reinventar de uma hora para outra. Os donos dessas corretoras que não queriam falar nos meios digitais, agora estão falando e acalmando os novos investidores que estão passando pelo seu primeiro grande crash da bolsa.

Lives do mercado financeiro

O conteúdo das lives do mercado financeiro englobam entrevistas e depoimentos de empresários e executivos de companhias, membros do alto escalão do governo, líderes do Congresso, gestores e economistas, tanto brasileiros, quanto estrangeiros, e até mesmo médicos.

As transmissões têm sido bastante visualizadas nos últimos dois meses e são uma tentativa das empresas reafirmarem suas marcas e negócios neste momento de turbulência inédita. O conteúdo mistura informações do setor com inspiração, que pode ser encarado como uma espécie de autoajuda de grande nível.

Objetivos

Além das lives ajudarem os investidores e, principalmente, os novos em meio à pandemia de Covid-19, em transmissões ao vivo com os grandes figurões do mercado financeiro, o objetivo dessa ferramenta interativa é que o cliente sinta-se cada vez mais bem informado e seguro a ponto de não pensar em tirar seu dinheiro aplicado por conta dessa onda de medo que assola o país e o mundo.

No caso de pessoas renomadas desse meio que antes se recusavam a falar com jornalistas, agora decidiram falar. É o caso do gestor Rogério Xavier, da corretora carioca SPX, que só no mês de março apareceu em cinco lives, conversando com Safra, Itaú Personnalité, BTG Pactual, Vitreo e Eleven Financial Research.

O modus operandi logo tomou fôlego. A empresa XP, por exemplo, por meio de seu fundador Guilherme Benchimol, conversou ao vivo com empresários, como os presidentes da Caixa, Eletrobras e CSN. O que começou com acesso limitado a 10 mil pessoas, hoje estas lives são 100% públicas no YouTube, com direito à divulgação de agenda com antecedência para jornalistas e clientes. De março até o momento, a XP já transmitiu mais de 70 vídeos dedicados à pandemia de Covid-19, que resultaram 1,4 milhão de visualizações, conforme explicou Karel Luketic, chefe do marketing da empresa, em entrevista à revista Época:

“Essa crise fez com que a gente desse um salto exponencial em nossa presença digital, acelerando nossa produção de conteúdo. Temos mais de 30 analistas produzindo lives, estamos numa força-tarefa.”

Rede de contatos

Para convencer figuras importantes a participar das lives, os próprios executivos abrem a rede de contatos, como Marcelo Flora, sócio responsável pelo BTG Pactual Digital. Ele revelou que os sócios de áreas ociosas neste momento de crise, como a que coordena a oferta de ações por companhias estreantes na Bolsa, passaram a dedicar parte de seu tempo à convocação de clientes de peso para a grade de programação de transmissões ao vivo. Até André Esteves, sócio fundador da empresa, tem auxiliado com sua rede de relacionamentos e ainda concedeu sua primeira entrevista ao vivo ao canal de seu banco.

As corretoras e os bancos dizem que os entrevistados não recebem para aparecer nas lives, que a aceitação vem da rede de contatos mesmo. Entre os que toparam participar estão figuras importantes, como o diretor executivo global da Kraft Heinz, Miguel Patricio; o fundador da Oaktree Capital e guru de Wareen Buffet, Howard Marks; e o veterano influente dos mercados Mark Mobius. Sobre este último, Flora ressalta:

“Quem é convidado tem o interesse em ter acesso a nossa base de investidores. Temos clientes que investem nos fundos do Mobius, por exemplo. E os políticos também querem falar com esse público.”

Já a plataforma Órama faz suas lives em seu Instagram e já realizou transmissões até com um psicólogo financeiro, além de montar um cronograma com aulas de ioga ao vivo três vezes por semana. A empresa Modalmais organizou uma aula em libras para ensinar surdos a investir em renda fixa. No quesito startups, a Maya Capital, de Lara Lemann, filha do bilionário Jorge Paulo Lemann, criou uma agenda de lives exclusivamente dedicadas a este nicho, com o intuito de como gerir uma startup na crise.

Políticos

Por fim, os políticos tem gerado sucesso às lives do mercado financeiro. Um exemplo é uma conversa com o ministro da Economia, Paulo Guedes, que teve mais de 600 mil visualizações no canal da XP, o que equivale a 40% de todos os internautas atraídos pela corretora de investimentos nas últimas semanas. A página conquistou 32 mil novos assinantes em três após esta transmissão, e o vídeo teve grande número de comentários até meio de abril (1.300), sendo o mais comentado da história do canal, criado há oito anos.

Já entre os vídeos mais assistidos do BTG Pactual Digital estão os com o vice-presidente, Hamilton Mourão, e com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

Fonte: Revista Época

*Foto: Divulgação