Por que ser perfeccionista pode ser prejudicial ao trabalho?

por que ser perfeccionista pode ser prejudicial ao trabalho

É preciso tomar cuidado em uma entrevista de emprego ou já contratado dizer que se considera uma pessoa perfeccionista.

O que é ser perfeccionista?

Quando uma pessoa demonstra ser perfeccionista ou afirma ser desse modo em um ambiente de trabalho, é preciso que ela saiba identificar o que isso significa na prática. Em primeiro lugar, uma característica comum de quem se julga assim é sempre se defender dos feedbacks que recebe e acha que tudo que é dito a ela é uma crítica pessoal.

Além disso, a pessoa também se acha capaz de trabalhar sozinha e não equipe, por pensar que desenvolve um trabalho melhor que o restante de sua equipe. Também costuma querer agradar todo mundo e, consequentemente, anula seus próprios desejos. E um dos piores casos é que não sabe lidar com falhas, pois acha que precisa ser perfeita em tudo e por estar acostumado a sempre se autocriticar acaba enxergando só defeitos em qualquer coisa e em seus colegas de trabalho.

Todos estes fatores acima são considerados por especialistas como atos de pessoas perfeccionistas. No entanto, o que antes poderia ser listado como uma qualidade, hoje pode se transformar em um sinal de alerta ao funcionário.

Estudos

Sobre o tema, os pesquisadores Andrew Hill e Thomaz Curran das universidades de Bath e York St. John, no Reino Unido, realizaram estudos de meta-análise com base nos indicativos de perfeccionismo registrados entre 1989 e 2016. Esta foi a primeira investigação a comparar a tendência entre gerações. Eles conseguiram verificar aumentos expressivos entre os recém-formados no Canadá, Estados Unidos e Reino Unidos.

Já outra pesquisa realizada pela norte-americana Katie Rasmussen, na universidade de West Virginia, revela que duas em cada cinco crianças e adolescentes são perfeccionistas. Em sua opinião: “Estamos começando a falar sobre como caminhamos para um caso de epidemia em saúde pública”.

Em ambos os estudos, há um fator importante, que mostra que a população não está se tornando melhor sucedida, e sim que está ficando doente pelo excesso de perfeccionismo.

Em relação a quem estabelece altos parâmetros, que é o caso de estudantes, atletas e trabalhadores. Estes mostram uma pequena ou nenhuma vantagem em comparação àqueles que não estipulam. Já as pessoas que manifestam o perfeccionismo mal adaptado podem sofrer da doença de bournot.

Saber identificar o que é dedicação de perfeccionismo

Estudos revelam que há dois tipos de perfeccionismo. O primeiro é o adaptativo, que é considerado saudável, em que a pessoa demonstra motivação por novas conquistas, além de possuir muitas metas e disciplina para atingi-las. Já o segundo, diz respeito ao mal-adaptativo, que é perigoso e faz mal à saúde. Neste tipo de perfeccionismo o indivíduo nunca está feliz com seu desempenho, pois suas metas na verdade são irreais. Eles acreditam que tudo em suas vidas devem desempenhados com absoluta perfeição e não admite que algo possa ser impossível para ele. A autocobrança também impera neste cenário e se mostra uma pessoa controladora, o que impacta negativamente em suas relações profissionais e pessoais. É importante que a pessoa saiba perfeccionista saiba identificar se todo este empenho vale realmente a pena.

Como a pessoa perfeccionista pode ser prejudicada?

Não importa o grau de perfeccionismo que pessoa tenha, é de suma importância que ela esteja alerta às consequências disso tudo, entre as quais: excesso de atividades ou procrastinação por medo de realizar tarefas e fracassar; dificuldade em aprender com os próprios erros, o que atrapalha sua evolução; dificuldade em aprender com os próprios erros, impedindo sua evolução. Portanto, qualquer um desses casos, a pessoa deixa de adquirir conhecimento e evoluir e transforma sua vida em estresse e excesso de sobrecarga.

Além disso, as pesquisas também identificaram que quanto mais a pessoas for perfeccionista, maior será sua chance de desistir de algo, em função de sentir-se frustrada. No entanto, há a possibilidade do profissional ter algum sucesso. Porém, sua saúde estará debilitada já, fazendo com que pegue leve e volte uns passos para trás. E aí vem a pergunta: valeu a pena todo este sacrifício?

Há cura?

Isso de muitos anos, quando estamos na escola e existe classificação para tudo por meio de provas e notas, até chegar ao competitivo mercado de trabalho. Em ambos os casos, o medo de falhar impera. Errar virou algo inaceitável e por isso as pessoas entregam sua alegria e saúde em trocar de ser mais assertivo, e isto é humanamente impossível. E acabamos entrando em círculo vicioso em busca da perfeição.

Se a pessoa falha, ela se sente culpada e ainda pensa que deve ser penalizada por isso. Portanto, cabe ao profissional procurar ajuda e se reeducar sobre o que é ser uma pessoa perfeccionista num âmbito saudável, e também a empresa precisa fazer o mesmo para que seja criada uma nova perspectiva inclusiva e saudável para todos.

Fonte: revista Você S/A

*Foto: Reprodução