Vale: mudanças no comando do conselho administrativo

Substituição é definida logo após acionistas determinarem como será composto o novo colegiado da empresa

A Vale anunciou no início de maio o novo presidente do conselho administrativo da companhia. Responde pelo cargo agora, José Maurício Pereira Coelho, presidente da Previ (Fundo de Pensão dos Funcionários do Banco do Brasil). Em nota da mineradora, Coelho entra no lugar de Gueitiro Matsuo Genso, que atuava na função desde 2016.

CURRÍCULO DO NOVO PRESIDENTE DO CONSELHO E OUTRAS MUDANÇAS

Desde 2009, José Maurício assumiu várias ocupações no Banco do Brasil antes de presidir a Previ, em julho de 2018. A Bradespar, Previ e outros fundos de pensão são controladas pela Vale.

Sobre o presidente anterior, a Vale reconheceu em comunicado as “relevantes contribuições” de Genso durante o tempo de permanência no cargo.

A alteração do comando do conselho vem logo após os acionistas da mineradora terem decidido no fim de abril a nova formação do colegiado. Atualmente, a organização conta com 13 integrantes.

As mudanças desdobram-se ainda em função do rompimento de uma barragem da empresa, em Brumadinho (MG), em janeiro desse ano. O desastre deixou centenas de mortos, além de implicar a Vale em diversos processos judiciais. O episódio também chamou a atenção das autoridades para os efeitos da falta de segurança em barragens de mineração.

De acordo com fontes do setor, as alterações de comando também dizem respeito à busca de uma nova estratégia. O objetivo é elevar o nível de segurança operacional, que inclui ainda um projeto de recuperação ambiental e social na região de Brumadinho.

NOVO DIRETOR-PRESIDENTE

Antes do anúncio de Pereira Coelho para presidir o conselho administrativo, a mineradora nomeou como diretor-presidente Eduardo Bartolomeo. A escolha de Eduardo foi realizada a partir de uma lista de executivos preparada pela companhia internacional Spencer Stuart. O novo diretor já faz parte do quadro de funcionários da Vale há dez anos. Ele substitui Fabio Schvartsman que continua na mineradora no cargo de diretor-executivo. Porém, no momento ele se encontra em “situação de afastamento”, segundo comunicado da Vale.

*Foto: Divulgação

Caso Bettina serve de alerta sobre os riscos de aplicar na bolsa

Um vídeo que chamou bastante atenção em março e chegou até a virar meme mostra uma propaganda enganosa.

A empresa Empiricus conta a história de Bettina Rudolph. O depoimento dela afirma que em três anos teria acumulado patrimônio de mais de R$ 1 milhão, investindo em ações.

O teor da fala da jovem levou o Procon-SP a multar a Empiricus Consultoria e Negócios em R$ 58,2 mil. Segundo o órgão, a empresa divulgou uma publicidade de fundo duvidoso nas redes sociais. O motivo foi Bettina dizer que investiu R$ 1520 e ter um retorno financeiro milionário num curto espaço de tempo.

Para o Procon, essa publicidade disfarçada de depoimento espontâneo pode induzir o consumidor a acreditar na história de Bettina. Além disso, o cidadão pode fazer uma aplicação equivocada no mercado finnaceiro sem ter o mínimo de conhecimento do assunto.

Ao analisar o conteúdo ficou evidente para o órgão público que a Empiricus não taxou o filme de “informe publicitário”. Além disso, Bettina também não explica no vídeo como foi possível transformar R$ 1520 em R$ 1 milhão. Não há uma etapa concreta sobre isso, um passo a passo de como ela conquistou essa fortuna.

MULTA REDUZIDA

O Procon-SP optou em aplicar primeiramente uma multa mais branda, na intenção de alertar a empresa sobre os riscos. Também é papel do órgão em proteger os direitos do consumidor de qualquer dano material que venha a sofrer.

Caso a Empiricus continue a promover publicidade que promova risco ao consumidor poderá ser multada novamente. E pela legislação vigente, o valor da punição pode chegar até R$ 9 milhões.

De acordo com Fernando Capez, diretor executivo do Procon-SP, a atitude da empresa é enganosa e induz o consumidor erroneamente.

RECURSO

A Empiricus afirma ter sido notificada e que deve recorrer da decisão do órgão público. Caso ela opte em pagar, poderá ter desconto à vista e o valor será de R$ 40 mil.

A consultoria ressalta que o conteúdo que foi ao ar pelas redes sociais direciona os usuários interessados para um curso gratuito de educação financeira. O programa oferecido é constituído por uma equipe de 32 profissionais da área.

*Foto: Divulgação

IBGE divulga que desemprego já atinge 13,4 milhões de pessoas

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a média de desemprego no primeiro trimestre de 2019 foi de 12,7%. Em relação ao último trimestre encerrado em dezembro de 2018, houve um aumento de 1,1%. Porém, em comparação com o primeiro trimestre do ano passado (13,1%), ocorreu uma queda.

Atualmente, o número de desempregados no Brasil já passa dos 13,3 milhões. Esta base de estudo do IBGE considera tanto os empregos com carteira assinada quanto os informais. Diferente do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), que considera desempregados apenas o que estão sem carteira assinada.

PNAD CONTÍNUA

As informações anunciadas pelo instituto compõem parte da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua. Todavia, o estudo não utiliza apenas os trimestres habituais, mas também períodos móveis, como: março, abril e maio, por exemplo.

A pesquisa é feita em 211.344 casas e atinge cerca de 3.500 cidades. Para o IBGE, desempregado é aquele que não está trabalhando no momento e que procurou alguma ocupação nos últimos 30 dias em relação à semana em que os dados do estudo foram coletados.

De acordo com o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo, 1,2 milhão de pessoas ficaram desempregadas e, consequentemente, ficou difícil recuperar esta fase da carteira de trabalho.

MERCADO INFORMAL

O número de pessoas que se encontram trabalhando no país é de 91,9 milhões em comparação ao último trimestre de 2018. Portanto, houve um crescimento de 1,8% em relação ao período de janeiro a março do ano passado.

Já a categoria de trabalhadores do setor privado que atua sem carteira assinada é de 11,1 milhões. Com isso, o percentual caiu em 3,2% comparado ao trimestre anterior. Porém, em relação ao mesmo trimestre do ano passado, registrou acréscimo de 4,4%.

O reflexo do mercado de trabalho do primeiro trimestre de 2019 não registrou alteração aos trabalhadores autônomos em comparação com o período de outubro a dezembro do ano passado. Além disso, houve um aumento de 3,8% sobre o mesmo trimestre de 2018, atingindo 23,8 milhões de cidadãos.

O setor privado com carteira assinada alcançou 32,9 milhões de pessoas e registrou estabilidade em ambas as comparações. E o salário médio desse funcionário também foi mesmo, ou seja, R$ 2.179.

O DESÂNIMO QUE ATINGE MILHÕES DE PESSOAS

O IBGE divulgou nesta mesma pesquisa que há 4,8 milhões de cidadãos desanimados com o atual cenário de mercado de trabalho. Com isso, esses indivíduos entram na categoria dos que desistiram de procurar uma ocupação durante o primeiro trimestre de 2019. Este número indica um aumento de 3,9% em comparação com o último trimestre do ano passado. E ainda de 5,6% em relação ao mesmo trimestre de 2018.

O desalento dessas pessoas atinge 4,4% da população, considerado um recorde. Porém, não apresentou variação O percentual de pessoas desalentadas (4,4%) manteve o recorde da série e não teve variação expressiva em ambas as comparações.

Essa categoria da pesquisa é determinada por àqueles que estão fora do mercado de trabalho por fatores, como: não consegue um emprego; não possui a experiência exigida; muito jovem ou muito idoso para o cargo em questão; ou ainda não encontrou uma oportunidade próxima de sua região. Neste último quesito, se tivesse uma vaga em sua localidade, teria condições de ocupar este cargo.

QUEDA NO DESEMPREGO EM 2018

O percentual de desemprego no país deu uma folga em 2018 e ainda encerrou o ano em queda. Este feito não ocorria há três anos. Em comparação com 2017, a taxa média de desocupados no Brasil caiu 0,4%, e alcançou 12,3% da população.

*Foto: Divulgação

Ancine suspende verbas públicas a pedido do TCU

O TCU (Tribunal de Contas da União) ordenou que a Ancine suspenda cota de recursos públicos para produções nacionais.

A agência reguladora do audiovisual tem 30 dias para demonstrar capacidade na avaliação de prestações de contas dos projetos.

O TCU só permitirá que a Ancine volte a repassar verbas de produção se ela tiver condições técnicas-operacionais eficientes. Hoje, a entidade, em parceria com o Ministério da Cidadania, sucessora do Ministério da Cultura, avaliam a aprovação dessas verbas.

Além disso, as duas empresas têm de fiscalizar a execução de cada ajuste de um novo filme ou série brasileiras.

Com a troca de governo, a agência de cinema talvez não conte com funcionários suficientes para reavaliar cada projeto novo. Segundo a ex-diretora da Ancine, Vera Zaverucha, na estrutura atual não tem como dar conta dessas exigências impostas pelo TCU.

As consequências diretas a partir dessa determinação do Tribunal de Contas é paralisar projetos que já estavam em andamento. Com isso, inúmeras produções podem ser prejudicadas.

MAIOR FISCALIZAÇÃO

Com essas medidas tomadas pelo TCU, busca-se uma maior fiscalização do setor de audiovisual. O órgão público obriga assim a agência de cinema a ter mais critério na escolha de recursos destinados ao audiovisual.

Porém, dificilmente uma produção nacional, seja um filme ou série para TV, consegue se bancar sem ajuda do Governo. Por isso, a importância da Ancine e Ministério da Cidadania em se adequar às normas exigidas pelo TCU.

Um longa-metragem nos dias atuais depende em grande parte do financiamento de dinheiro público. Com essa suspensão, diversos projetos podem nunca mais sair do papel.

A agência precisa elaborar um plano eficaz para que filmes e séries não sejam barrados por órgãos públicos superiores. Porém, a empresa que fomenta o setor de audiovisual aguarda uma notificação expressa do TCU para tomar as decisões cabíveis.

Ela ainda afirma, que no momento há uma auditoria em andamento para verificação de ações referentes à gestão anterior. Corre um inquérito em segredo de justiça para investigação contra o atual diretor, Christian de Castro. No fim de 2018, a Polícia Federal apreendeu na sede da entidade HDs de computadores e livros contábeis para averiguação.

*Foto: Divulgação

Canudos de plástico: SP aguarda sanção do prefeito Bruno Covas

Aprovada em abril em votação da Câmara Municipal, a capital paulista pode se juntar a outras cidades que proibiram o uso de canudos de plásticos em estabelecimentos comerciais.

O projeto de Lei 99/2018, do vereador Reginaldo Tripoli (PV) aguarda agora sanção ou veto do prefeito Bruno Covas.

Entre os locais onde o fornecimento de canudos plásticos podem ser proibidos estão: bares, restaurantes, hotéis e padarias.

A VOTAÇÃO

Foram 32 votos a favor e 2 contra, entre os que discordam da decisão da maioria está o vereador Fernando Holiday (DEM). Para ele, a proibição apenas mascara a questão do descarte irregular de lixo na cidade.

ITENS QUE PODEM SUBSTITUIR O USO DO PLÁSTICO

Segundo a proposta o objeto de plástico pode ser substituído por canudos de papel reciclável, biodegradável ou de material comestível. Em suas redes sociais, Tripoli comemorou aprovação pela câmara.

“Uma decisão muito importante para combater o excesso de lixo na cidade e criar uma nova visão sobre o consumo do plástico desnecessário. Agradeço à população engajada na questão, que já entendeu a urgência na mudança de hábitos.”

MULTAS EM CASO DE DESCUMPRIMENTO

Em caso de sanção pelo prefeito Bruno Covas, o estabelecimento que descumprir as regras pagará multas. Porém, primeiramente esses locais sofrerão uma advertência. Se houver uma segunda autuação, terá aplicação de multa no valor de R$ 1 mil. Em uma terceira ocorrência, a infração será o dobro do preço da autuação anterior. A partir da sexta multa, o estabelecimento terá que pagar R$ 8 mil e a parte administrativa do negócio será fechada.

*Foto: Divulgação

Nubank aciona Cade contra bancos por quebra de contrato

Fintech alega que instituições financeiras dificultam o serviço de débito a automático a clientes que possuem cartão de crédito do banco digital

O Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) instaurou inquérito para averiguar suposta dificuldade imposta pelos bancos BB, Bradesco, Caixa Econômica e Santander contra o Nubank. O Itaú ficou de fora dessa lista.

O Nubank procurou o órgão de defesa há dois anos. A Fintech alega que houve quebra contratual por parte dessas instituições, além de cobrarem taxas abusivas dos clientes. A partir daí, foi instaurado um processo administrativo contra esses bancos.

ACORDOS E QUEBRA DE CONTRATO

Os acordos realizados entre a Fintech mais o Banco do Brasil e Santander foram rompidos unilateralmente. A Caixa e o Bradesco chegaram a fixar taxas de mais de R$ 10 para o serviço de débito automático. Estes não aceitaram uma contraproposta e esse entrave vem se arrastando há quatro anos, quando foram iniciadas as primeiras negociações entre os todos os bancos e o Nubank.

Porém, o valor cobrado por 64% instituições financeiras em transações de débito automático era de R$ 2,99; e de R$ 3 a R$ 5,99, praticado por 27% de outros bancos. Os dados são do Banco Central, levantados pela superintendência do Cade.

PARECER DO CADE

Para o órgão de defesa ficou evidente que os bancos possuem posicionamento dominante frente ao serviço de débito automático. Todavia, o Cade também entende que não há justificativas aceitáveis para que os bancos do Brasil, Bradesco, Caixa e Santander praticarem esses valores acima dos outros bancos.

Ao serem notificadas, o BB disse que prestou informações necessárias ao Cade e que está à disposição do órgão. A Caixa afirmou estar agindo em conformidade com as regras do sistema financeiro em relação ao serviço de débito automático.

A Fintech está confiante que o Cade agirá na intenção de proteger e incitar a competitividade do setor. Pois assim, novas empresas também vão poder oferecer inovação e melhores opções à clientes.

Além disso, o Nubank ressalta que ao ser prejudicada pela cobrança abusiva do serviço de débito automático praticado por esses quatro bancos, ele acaba perdendo 5% de lucro. Portanto, seu crescimento fica limitado.

*Foto: Divulgação