Petrobras recruta estagiários para nível médio e superior

Serão 72 vagas distribuídas em 15 cidades, entre eles: Bahia, Espírito Santo, Pará, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte mais o Distrito Federal

A Petrobras está com inscrições abertas para preencher 72 oportunidades de estágio para estudantes dos ensinos médio e superior.

As vagas estão espalhadas em 15 municípios, nos estados do: Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Pará, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte e São Paulo, além do Distrito Federal.

O número total de estágios para o nível superior é de 58 e compreende as áreas de administração, ciências atuariais, ciência da computação ou informática, direito, economia, estatística e engenharias de produção e química. Aos estudantes de ensino técnico estão destinados 14 cargos para: informática, meio ambiente, segurança do trabalho, suprimento e telecomunicações.

REQUISITOS E BOLSA-AUXÍLIO

Os universitários devem estar cursando ao menos o terceiro semestre, com exceção do curso de direito. Para este último, o candidato deve estar matriculado ao menos no sétimo semestre.

A bolsa-auxílio dos universitários é de R$ 1400 e para os estudantes do ensino médio é de R$ 980. A carga horária de ambos os níveis é de cinco horas. Além disso, todos terão direito a auxílio-transporte e seguro de vida.

OBJETIVO DO PROGRAMA DE ESTÁGIO

Para a Petrobras, o objetivo do programa de estágio é poder proporcionar aos estudantes uma experiência profissional de aprendizado bem sucedido. Pois, com isso, o futuro profissional poderá adquirir uma capacitação técnica e também desenvolver suas relações de trabalho e sociocultural.

INSCRIÇÕES E PROVAS

As vagas desse processo seletivo tem a intenção de atender a necessidade de áreas específicas da estatal. A empresa pretende abrir novo processo com mais oportunidades, nos próximos meses. Porém, já está sendo feito uma pesquisa interna para definir quais os departamentos que vão necessitar de novos estagiários em breve.

O prazo de inscrição vai até dia 9 de maio. O candidato deve acessar o site da Petrobras e cadastrar seu currículo. Além disso, os participantes terão que escolher em qual cidade deseja realizar a prova e também para qual nível de ensino. Só é possível uma inscrição por estudante.

Entres os dias 13 e 15 de maio será realizada a primeira etapa do processo e a prova será online. As questões abrangem conhecimentos gerais, língua portuguesa matemática e raciocínio lógico. Os candidatos aprovados passarão por uma entrevista. No dia 29 de maio será divulgado o resultado final. A duração do estágio para ambos os níveis é de seis meses com possibilidade de prorrogação por no máximo dois anos.

DICAS PARA O DIA DA ENTREVISTA

Antes da entrevista, uma dica para o candidato é pesquisar sobre os valores e missões da empresa em questão. Além de fazer um questionário sobre a companhia para tentar respondê-lo e, consequentemente, aprender ainda mais sobre o seu futuro local de trabalho.

Demonstre transparência e tranquilidade ao responder perguntas do entrevistador, sem exageros ou fatos mentirosos. Ressalte seus pontos fortes e em relação aos fracos, mostre sinceridade ao admiti-los. Todavia, seja claro quanto às suas qualidades que podem contribuir para o cargo almejado. E não fale mal dos locais onde já estagiou e o mesmo vale para ex-colegas de empresa. E o mais importante de tudo, jamais insira em seu currículo informações que não possam ser confirmadas.

*Foto: Divulgação

Queiroz Galvão vence licitação da extensão da Linha 1 do Metrô de Salvador

No início do mês, gigantes da construção civil brigaram por licitação milionária referente à extensão da linha 1 do Metrô de Salvador.

Participaram da concorrência: a Camargo Corrêa (Consórcio CCINFRA-TSEA-EPC), Construtora Queiroz Galvão, Consórcio Serveng/Coesa, Odebrecht, Marquise/Comsa/Enfer, SA Paulista/Mape/Benito Roggio/Hijos e Ferreira Guedes/Teixeira Duarte/Somafel.

A licitação tem valor total de R$ 786 milhões para a construção do trecho que conecta os bairros de Pirajá a Águas Claras.

As empreiteiras participantes do certame apresentaram projetos orçamentários, sendo a da Camargo Corrêa a de menor custo, R$ 424,7 milhões; seguida pela Queiroz Galvão, R$ 429.963.057,00; Consórcio Serveng/Coesa, R$ 429.963.057,00; Odebrecht, R$ 511.356.496,00); Marquise/Comsa/Enfer, R$ 550.561.000,00; e SA Paulista/Mape/Benito Roggio/Hijos, R$ 599.628.207,72.

Em janeiro, em reunião na sede da Companhia de Transportes da Bahia, foram abertos os envelopes com as propostas.

O consórcio Metro L1 T3’ registrou que as concessionárias Camargo Corrêa (CCINFRA-TSEA-EPC) e Serveng estavam inabilitadas.

O motivo da constatação foi que ambas empresas integram grupos controladores da CCR (Companhia de Concessões Rodoviárias).

ENTENDA O CASO

O Regime Diferenciado de Contratações é regido por uma lei específica, de 2011, criada a partir de decreto do governo Dilma Rousseff (PT), com intuito de criar uma legislação que acelerasse licitações para a construção de infraestruturas e estádios para a Copa do Mundo 2014 e os Jogos Olímpicos 2016.

Foi este modelo instaurado para a realização da licitação para a construção do Metrô da Bahia.

De acordo com a legislação que conduz o RDC, é proibida a participação de companhia que tenha elaborado o anteprojeto e os projetos básico ou executivo da licitação.

O artigo 36º do Decreto certifica: “Para fins do disposto neste artigo, considera-se participação indireta a existência de qualquer vínculo de natureza técnica, comercial, econômica, financeira ou trabalhista entre o autor do projeto, pessoa física ou jurídica, e o licitante ou responsável pelos serviços, fornecimentos e obras, incluindo-se os fornecimentos de bens e serviços a estes necessários”.

Geralmente, o anteprojeto de uma licitação é realizado por outra empresa. Nele, deve conter dados mínimos que permitam uma descrição, ainda não detalhada da obra. O documento é apresentado na fase inicial da licitação.

Além da legislação, o manifesto de concorrência para o Metrô da Bahia também veta a participação de ‘pessoa física ou jurídica que elaborou, isoladamente ou em consórcio, o anteprojeto de engenharia’.

O GOVERNO ESTADUAL DA BAHIA

No dia 6 de fevereiro, após período de análise, o Governo do Estado da Bahia anunciou que o Consórcio da Camargo Corrêa estava inabilitado e sendo assim, não ocuparia mais a posição de primeiro lugar na classificação da melhor proposta orçamentária.

Ao ser desclassificada, a construtora Queiroz Galvão foi declarada oficialmente no dia 19 de fevereiro como a empresa vencedora do certame.

Em vista disso, as demais concorrentes tiveram o prazo recursal de cinco dias para recorrer da decisão.

NOTA DA CAMARGO CORRÊA

“Ao contrário do alegado, nem a Camargo Corrêa Infra, nem sua controladora, Construções e Comércio Camargo Corrêa S.A., nem suas consorciadas, participaram da elaboração de qualquer anteprojeto do Tramo 3 da Linha 1, objeto da atual licitação. Os autores do anteprojeto de engenharia do Tramo 3 da Linha 1 são o próprio Governo da Bahia, por intermédio da Companhia de Transportes do Estado da Bahia (CTB), e a Projconsult Engenharia de Projetos Ltda., no que compete ao orçamento, como pode ser comprovado pelos documentos”, afirma a construtora.

Em 2010, período em que o conselho do Grupo Camargo Corrêa era presidido pelo advogado Vitor Hallack, as construtoras Queiroz Galvão e Camargo Corrêa trabalharam juntas, no consórcio Ferrosul ao vencerem licitação dos lotes 2 e 3, nos valores de R$ 372,8 milhões e R$ 632,9 milhões, respectivamente.

Cabe agora à Camargo Corrêa conseguir recorrer da decisão para, talvez, voltar ao topo da disputa e ser declarada vencedora para a construção da extensão da Linha 1 do Metrô de Salvador.

*Foto: Reprodução – http://www.ccrmetrobahia.com.br

BNDES empresta mais de R$ 300 milhões a novo birô de crédito

Novo birô de crédito engloba os principais bancos brasileiros, como Bradesco, BB, Caixa, Itaú e Santander

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) emprestou mais de R$ 300 milhões ao Quod, novo birô de crédito. A companhia chega ao mercado para competir com outras instituições, como Boa Vista SCPC, Serasa e SPC Brasil.

A nova empresa deve começar a quitar o BNDES três anos após a concessão do financiamento aprovado no fim de 2018.

Assim como seus concorrentes, o Quod também reunirá em seu banco de dados informações sobre os maus e bons pagadores. Neste último quesito, a companhia se beneficiará das alterações no cadastro positivo.

O projeto de lei que foi aprovado pelo Senado em março, aguarda sanção presidencial. Por meio do decreto, todos os cidadãos brasileiros que possuem CPF ativo serão automaticamente inclusos no cadastro positivo.

Atualmente, o modelo adotado afirma que o próprio consumidor tem que manifestar interesse em integrar essa lista.

FUNCIONAMENTO DOS BIRÔS

Essas empresas são especializadas em colherem informações dos consumidores e a partir daí fazem uma análise desses pagadores. O perfil pode ser dividido entre bons e maus pagantes, que facilita o trabalho das companhias credoras a minimizar calotes.

Alguns birôs deixam seus sites abertos aos cidadãos que quiserem consultar se seu nome está limpo para um empréstimo.

EMPRESA QUOD

BNDES afirma que o empréstimo ao Quod diz respeito ao desejo do novo birô de crédito querer investir em inovação. A verba servirá para implementação de uma plataforma tecnológica de produtos oferecidos pela empresa.

Para o BNDES, todos esses fatores foram determinantes para o empréstimo do montante à nova operadora de crédito.

*Foto: Divulgação

Projeto Velho Amigo traz vida às pessoas da terceira idade

O Projeto Velho Amigo, em parceria com a consultoria Hype60+ e a empresa Intemsa foram os responsáveis pela segunda edição do prêmio Bem Envelhecer.

A ONG que atua para a inclusão social da terceira idade, atende hoje 18 entidades filantrópicas e gerencia um centro de convivência do idoso em Heliópolis (zona sul de São Paulo).

De acordo com Regina Helou, vice-presidente do Projeto Velho Amigo, para que as pessoas com mais de 60 anos tenham uma maior qualidade vida, ela vai depender como os mais jovens enxergam os mais velhos.

O prêmio Bem Envelhecer é uma iniciativa que de uma maneira geral ampara o idoso e o convida a se expressar por meio das redes sociais.

Atualmente, grande parcela da terceira idade interage com amigos e famílias por meio do Facebook, Instagram e até Twitter.

Já não se pode mais associar uma pessoa mais velha àquele estereótipo de um indivíduo ranzinza e rabugento que só fica em casa vendo TV ou tricotando.

Hoje, essa parte da população mundial desempenha papel fundamental na sociedade de consumo, principalmente do entretenimento.

E é aí que entra a internet. Eles podem postar seu cotidiano pelo Instagram. Pode ser uma imagem desde uma ida a uma festa de família até um salto de paraquedas para os mais “radicais”.

Segundo a fundadora da consultoria Hype60+, Layla Vallias, que atua com marketing focado para os mais velhos, ainda há preconceito com fotos postadas por idosos.

De um lado, uma imagem que passa fragilidade e de outra uma cena de comportamento considerado menos normal, como de um idoso fazendo uma tatuagem pela primeira em uma idade mais avançada.

Tanto o Projeto Velho Amigo como a Hype60+ querem chamar a atenção de que existe sim vida na terceira idade e que ela pode ser tão prazerosa como na juventude.

A importância da geração que já nasceu em frente a um computador interagir com a dos idosos é fundamental para que ambos aprendam um com o outro.

Uma das maiores lições que os dois grupos pode tirar desses encontros, mesmo que virtuais, é o respeito que cada ser humano merece e não importa sua raça, classe social, gênero ou faixa-etária.

PESQUISA

Segundo dados levantados pela Hype60+ em parceria com a empresa Pipe.Social, por meio de pessoas entrevistadas acima dos 55 anos, em relação à área de saúde, apenas 53% possui convênio médico.

No quesito trabalho, a pesquisa apontou que 60% dos entrevistados se declaram como sendo os responsáveis por metade da renda bruta de seus lares.

Já 29% afirma que são os únicos provedores do sustento de toda família.

Em atividades de lazer e descanso, 43% dos entrevistados disseram que gastam até quatro horas diárias com este tipo de programação.

Porém, 44% preferem sair de casa e frequentar espaços ao ar livre, como parques e praças.

*Foto: Divulgação

R$ 17 bilhões de recursos do pré-sal serão distribuídos em 2020

O governo decidiu repassar parte dos R$ 17 bilhões pertencentes ao Fundo Social, que é mantido com recursos do pré-sal, para estados e municípios, em 2020.

A equipe econômica entende também que ao adotar esta medida ainda pode contar com um crédito extra vindo do leilão de petróleo.

De acordo com a Agência Nacional do Petróleo (ANP), estes R$ 17 bilhões são apenas uma projeção da exploração do óleo para 2019.

Em porcentagem real, ainda não se sabe quanto desta verba será distribuída entre as cinco regiões do país.

Porém, de acordo com informações do jornal O Estado de S. Paulo, a ideia é chegar em pelo menos 70% durante os próximos 20 anos.

E sobrar 30% dos 100% do Fundo Social, que hoje pertence à União.

A curto prazo, o governo negocia baseado na Lei Kandir, a possibilidade de ajudar os Estados com mais injeção de dinheiro na intenção de antecipar as receitas, para que estes locais não fiquem em apuros num futuro próximo.

Essa projeção chamada de Plano de Equilíbrio Financeiro (PEF) pode ser a solução para que governadores consigam capital de giro e antecipem recursos.

Estes serão obtidos ao longo do mandato, como uma moeda de troca, enquanto os ajustes fiscais ainda não tiverem sido aprovados pelas Assembleias Legislativas.

DEBATE EM BRASÍLIA

Nas palavras do ministro da Economia, Paulo Guedes, a divisão dos recursos do pré-sal entre os Estados e municípios é como um “balão de oxigênio”.

Essa solução seria mais eficaz e diferente de apenas uma bonificação de assinatura em relação ao leilão de petróleo, que só ocorre uma única vez.

Já a obtenção de recursos por meio do Fundo Social dá a chance do caixa estar cheio todo mês, durante vários anos.

Os governadores de todos os Estados brasileiros devem ir à Brasília debater o assunto.

HISTÓRIA DO FUNDO SOCIAL

Criado em 2010 para ser uma espécie de poupança do governo, o Fundo Social tinha entre seus objetivos o de auxiliar o financiamento e desenvolvimento do Brasil quando a verba vinda do petróleo enfraquecesse.

Ainda no mesmo ano, graças ao acordo de cessão onerosa firmado entre a União e a Petrobras, foi permitido que a estatal explorasse cerca de 5 bilhões de barris de petróleo na Bacia de Santos.

Naquele época, a Petrobras desembolsou R$ 74,8 bilhões. Hoje, o governo espera que esta região possa render mais R$ 6 bilhões de barris.

Além disso, a União pretende fazer um leilão do volume excedente, previsto para acontecer no dia 28 de outubro.

*Foto: Divulgação

Técnico em Segurança do Trabalho atende empresas de apoio marítimo

As empresas voltadas ao setor de apoio marítimo contam com a especialização do técnico de segurança do trabalho na prevenção de acidentes.

A ideia é que o técnico desenvolva estratégias para que os colaboradores desenvolvam atitudes mais conscientes no local de trabalho.

Uma das empresas especialistas em apoio marítimo, a Marlin Navegação, abriu mês passado uma vaga destinada a esse profissional. A vaga era para a unidade do Rio de Janeiro e exigia experiência em três requisitos: apoio marítimo; PEOTRAM (auditoria do cliente Petrobras); e já ter inspecionado e atendido corporações que cumprem os requisitos instituídos pela Petrobras.

SOBRE A MARLIN NAVEGAÇÃO

A Marlin Navegação S. A. é uma empresa do ramo de embarcações de apoio marítimo. Ela possui atualmente uma frota com cinco embarcações (AHTS e OSRV) e atende o mercado de gás e óleo brasileiros. A constituição da empresa se deu por meio de dois fundos de private equity, regidos pela Angra Partners, pertencente ao empresário Alberto Guth e pela Mare Investimentos.

Entre as missões da empresa, estão o respeito ao meio ambiente e a valorização da segurança.

O QUE FAZ UM TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO MARÍTIMO

As companhias do ramo de gás e petróleo brasileiro atuam em um mercado global e precisam estar preparadas de acordo com o que este ramo de atividade exige. E a segurança é quesito obrigatório para o andamento dessas empresas, e consequentemente, do crescimento de sua produtividade.

O técnico em segurança do trabalho tem o dever de prevenir acidentes nas plataformas marítimas (instalação offshore). Nesse local, ficam expostos a todo tipo de instabilidade climática, como sol forte, chuvas, ventos, umidade e baixa temperatura. E também atuam em estaleiros, oleodutos, refinarias e termelétricas (instalação onshore).

Seu trabalho visa conscientizar os outros empregados para que desenvolvam atitudes mais seguras durante o expediente. Ele também tem que priorizar a integridade física de cada funcionário. Há os colaboradores resistentes à fases de transição ou que não acham importantes certas medidas de segurança. Para eles, podem-se mostrar essas ações na forma de campanhas, seminários, palestras e reuniões, entre outros tipos de apresentação.

Além disso, o profissional deve implementar ações de segurança que valorizem o meio ambiente e redução de custos. Seu trabalho é bastante proativo junto aos demais funcionários.

ATRIBUIÇÕES

Outras atribuições do cargo são: inspeção e instalação de equipamento do local de trabalho; observar as condições trabalhistas e avaliar a necessidade de manutenção dos equipamentos e instrumentos de segurança. Assumir liderança e orientação das equipes quanto ao controle de emergências. Essa prática engloba condução de veículos, funcionamento de sistemas de combate a incêndios; apuração e distribuição de dados indicadores de segurança. Participação nas medidas que visam reconhecer e avaliar os agentes que causam riscos ao meio ambiente. E integrar ações que controlem esses agentes quando expostos ao contato humano. Orientar a salientar a importância do uso de equipamento de proteção individual e produção de laudos técnicos.

Para trabalhar neste meio, o técnico deve ter concluído o curso de ensino técnico de nível médio e segurança do trabalho. Também é importante fazer mais cursos de qualificação ao longo da carreira. Além de possuir conhecimento da legislação de segurança do trabalho vigente e aplicá-la ao seu local de atuação.

*Foto: Divulgação