Nova reforma: será que vale a pena fazer previdência privada?

nova reforma vale a pena a previdência privada

Com as incertezas sobre a Reforma da Previdência, muitas pessoas estão se informando cada vez mais sobre fazer uma previdência privada e conseguir garantir algum dinheiro para uma aposentadoria mais tranquila.

De acordo com especialistas da área, ainda dá tempo sim de fazer uma previdência privada, mas ressaltam que o ideal é começar a poupar dinheiro mais jovem para não ter que não afetar tanto seu bolso.

Quem opta por fazer uma previdência faltando poucos tempo para atingir a idade mínima para se aposentar, consequentemente, terá que desembolsar uma quantia maior por mês para não mexer até pelo menos 8 anos antes de alcançar o período necessário.

Ainda segundo os especialistas, quem deixou para última hora para fazer uma reserva e ter um final de vida mais tranquilo, seria bom que deixasse esta quantia render por 10 anos ou um pouco mais.

TAXA TRIBUTÁRIA MAIS ATRATIVA

Para quem investe em um plano de previdência privada, as vantagens tributárias podem ser mais vantajosas em relação à porcentagem do imposto de renda descontado.

Enquanto que aplicações do tipo CDB e títulos públicos, entre outras formas de investimento, possuem dedução de IR de 15%, a previdência privada é de apenas 10% para quem não mexer no dinheiro durante dez anos, por exemplo.

A tabela de IR explica esta taxa de 10% para quem não resgata o montante antes de dez anos.

Acontece que os casos mais comuns em que os fundos de previdência com tributação regressiva é iniciado em 35% e diminui cinco pontos porcentuais a cada dois anos.

Ou seja, ao longo de oito anos, o IR cai para 15%, sendo tão atrativo quanto outras opções de investimentos de renda fixa.

Por isso, os executivos de grandes instituições financeiras insistem para que os interessados comecem a poupar antes e que esperem dez anos para o resgate ou acima desse período.

Além disso, a previdência privada não sofre taxa tributária ao longo dos anos, somente em sua fase final.

Não acontece o famoso ‘come-cotas’, como nas aplicações de renda fixa, proporcionando maior rendimento em sua fase de retirada.

Também há a escolha de previdência com tabela de tributação progressiva. Porém, neste caso só é vantajoso àqueles que possuem renda fixa inferior a R$ 1.903,98 para ficar isento de taxação do IR.

PREVIDÊNCIA PARA FACULDADE

Não é só para aposentadoria que serve o plano de previdência privada.

Muitos pais optam por este tipo de investimento para pouparem desde cedo, ou seja, contribuir com uma quantia por mais de 15 anos para garantir o pagamento da faculdade de um filho.

Vale ressaltar que o que influencia em uma escolha por um plano de previdência privada é o tempo em que a pessoa deixará de mexer neste investimento para obter uma maior vantagem fiscal.

Por exemplo, se o usuário opta em resgatar o dinheiro antes de um período mínimo de oito anos, com certeza este tipo de aplicação não será a correta para ele.

TRANSFERÊNCIA DIRETA PARA HERDEIROS

Este tipo de investimento também é bastante procurado por pessoas que querem deixar uma herança aos filhos ou outros beneficiários.

A previdência privada passa por cima dos trâmites de um inventário, facilitando a transferência ao herdeiro num prazo de 30 dias.

Diferente do que seria caso o falecido não optasse pela previdência e os beneficiários tivessem que fazer um inventário e esperarem de um a dois anos para receber tal quantia.

RENTABILIDADE

Apesar de ser um plano com diversas vantagens, especialistas alertam sobre as taxas administrativas que instituições financeiras cobram para cuidar do seu investimento.

Os fundos mais conservadores de previdência privada, para serem atrativos têm que cobrar taxa administrativa de 5%.

Para os clientes mais ousados, que não se importam de correrem riscos e terem um retorno melhor, o ideal é procurar uma administradora que cobre cerca de 2% de taxa.

*Foto: Reprodução / Flickr – Sindicato dos Metalúrgicos de João Monlevade