Nota Fiscal Paulista: Por que até compra cara gera pouco crédito?

por que nf paulista gera pouco crédito

Muitos consumidores devem se perguntar por que os créditos da Nota Fiscal Paulista já não garantem tanto retorno financeiro.

Os motivos são diversos, mas talvez o mais significativo deles que nem toda pessoa física sabia é: se muitas pessoas pediram a NF em um mesmo estabelecimento, a fatia de ganho individual é reduzida.

Além disso, o Governo do Estado de São Paulo modificou novamente as regras de gerador de créditos em 2017, o que a longo prazo contribuiu para a diminuição de rendimento de cada consumidor.

Atualmente, os percentuais determinados pelo governo paulista variam entre 5% e 30% para estabelecimentos de diversos segmentos.

CATEGORIAS MAIS PROCURADAS E SEUS PERCENTUAIS

  • 5%: supermercados, ópticas, lojas de departamento, papelarias e drogarias
  • 10%: lanchonetes, restaurantes e adegas
  • 20%: lojas de arte, lojas de conveniência e vidraçarias
  • 30%: livrarias, bancas de jornal, açougues e peixarias

QUAIS SETORES TIVERAM MAIOR REDUÇÃO

O governo estadual cortou mais taxas de setores que no passado ranqueavam os maiores pedidos de nota fiscal.

Estas medidas, de acordo com a Secretaria da Fazenda e Planejamento de São Paulo foram feitas para estimularem setores em que não era o comum solicitar o CPF.

São os casos de bancas de jornal e grandes livrarias em que houve um salto de 20% para 30% de procura.

Ao contrário dos supermercados e restaurantes, que caiu para 10%.

QUEDA DE 5 PONTOS PERCENTUAIS NOS PEDIDOS DE NOTA

Com a diminuição dos ganhos, muitas pessoas deixaram de pedir a NF nos estabelecimentos.

Entre 2015 e 2016, 35% da população solicitava o CPF nas compras. No ano passado este número caiu para 5%.

A Secretaria da Fazenda já esperava por esta queda e a considera normal, pois essas diferenças oscilam conforme os meses do ano, principalmente em períodos comemorativos, como o Natal, em que se exige muito mais a NF ao final de uma compra.

CÁLCULO DOS CRÉDITOS

Esse cálculo é feito mês a mês por cada estabelecimento e depende alguns fatores:

  1. Segmento econômico do estabelecimento.
  2. Valor da compra
  3. Número de pessoas que pediram o CPF na nota naquele estabelecimento
  4. Quanto o estabelecimento deverá pagar de ICMS para o Estado

PAGAMENTO DO ICMS

Cada estabelecimento deve recolher uma alíquota de ICMS.

Porém, é importante saber que se, por exemplo, uma livraria adquiriu R$ 10 mil em mercadoria e vendeu bem menos, não tem ICMS a ser recolhido neste caso.

Portanto, os clientes que fizeram compra naquele mês na livraria, terão seus créditos zerados, mesmo tendo pedido nota fiscal.

VALOR ALTO EM COMPRAS NÃO É SINÔNIMO DE MAIOR GANHO

Antigamente, quem fizesse compras de valores muito altos atingia um retorno financeiro melhor.

Hoje, com as mudanças de variáveis para esses ganhos, é impossível prever se o crédito gerado em um determinado mês será maior ou não.

*Foto: Divulgação